Uma hipótese sobre a relação do torcedor brasileiro com a seleção masculina de futebol

Já há algum tempo sempre que uma convocação de seleção brasileira masculina de futebol é anunciada, uma inquietação me toma por inteiro. Essa inquietação me inspirou então a escrever este artigo: qual o histórico de cada jogador convocado no Campeonato Brasileiro? Qual impacto este jogador teve no território nacional e na população brasileira? Será que a relação do torcedor com a seleção é influenciada por isso? Portanto escolhi investigar um pouco mais a fundo.

Escolhi investigar os jogadores convocados na “era Tite”. Esta amostragem engloba um grupo de 14 goleiros, 11 laterais, 15 zagueiros, 27 meias e 18 atacantes, totalizando 85 atletas. As fontes utilizadas para a investigação foram os sites da CBF, UOL, Globo Esporte, Transfermarkt e oGol.

Dados – Edições de serie A disputadas e minutagem

Ressalvas

  • Em alguns amistosos pós-Copa 2018 a comissão convocou um terceiro goleiro ainda sub-20 para período de experiência (Hugo, Phelipe e Gabriel Brazão). Nenhum deles disputou Campeonato Brasileiro por seus times.
  • No amistoso denominado “Jogo da Amizade” quando o Brasil enfrentou a Colômbia tendo apenas convocado jogadores de clubes brasileiros. Portanto para muitos dos envolvidos esta foi a única convocação para seleção principal de suas carreiras e/ou única convocação na era Tite.
  • Pedro, atualmente atacante da Fiorentina-ITA teve uma convocação porém foi cortado por lesão e não teve efetivamente uma participação na seleção principal.

Análise 1

A primeira questão que corriqueiramente vem a tona em minha mente é: quantos dos convocados disputaram pelo menos 3 edições de série A?

Não disputaram 3 edições (18): Neto (Barcelona-ESP), Ederson* (ManCity-ING), Danilo (Juventus-ITA), Marcelo (Real Madri-ESP), David Luiz* (Arsenal-ING), Marquinhos (PSG-FRA), Eder Militão (Real Madri-ESP), Andreas Pereira* (ManUtd-ING), Fabinho** (Liverpool-ING), Fernando* (Sevilla-ESP), Coutinho* (Bayern-ALE), Willian (Chelsea-ING), Talisca (GZ Evergrande-CHN), Firmino* (Liverpool-ING), David Neres (Ajax-HOL), Douglas Costa (Juventus-ITA), Vinicius Jr (Real Madri-ESP) e Richarlison (Everton-ING).

*Não disputaram nem uma edição

**Esteve inscrito em uma edição pelo Fluminense mas nunca entrou em campo

Disputaram exatamente 3 edições (16): Ivan* (Ponte Preta), Filipe Luis** (Flamengo), Dani Alves** (São Paulo), Rafinha** (Flamengo), Samir (Udinese-ITA), Jemerson (Monaco-FRA), Thiago Silva (PSG-FRA), Vitor Hugo** (Palmeiras), Matheus Henrique** (Grêmio), Allan (Napoli-ITA), Fred (ManUtd-ING), Paquetá (Milan-ITA), Casemiro (Real Madri-ESP), Fernandinho (ManCity-ING), Walace (Udinese-ITA) e Taison (Shakhtar-UCR).

*Apenas 1 minuto em campo

**Disputam este ano sua terceira edição

Do restante, assim ficam distribuídos os jogadores que foram mais consistentemente convocados:

  • 4 edições: Alex Sandro (Juventus-ITA), Paulinho (GZ Evergrande-CHN), Arthur (Barcelona-ESP)
  • 5 edições: Miranda (JS Suning-CHN) e Neymar (PSG-FRA)
  • 6 edições: Geromel (Grêmio), Giuliano (Al Nasr-SAU), Renato Augusto (BJ Guoan-CHN) e Everton Cebolinha (Grêmio)
  • 7 edições: Gil (Corinthians)
  • 8 edições: Cassio (Corinthians), Weverton (Palmeiras)
  • 9 edições: Rodrigo Caio (Flamengo)
  • 11 edições: Fagner (Corinthians)
  • 16 edições: Diego Souza (Botafogo)

Hipótese

É claro que a relação do torcedor brasileiro hoje com a seleção não é próxima do que já foi anteriormente. Alguns fatores como o jejum de títulos na Copa do Mundo, poucos jogos disputados em território brasileiro, polêmicas e acusações/casos de corrupção da entidade responsável pelo futebol brasileiro e sua seleção são chave nessa equação. Mas eu creio que um fator importantíssimo, aliado aos anteriores, é a falta de identificação e referências no time principal.

Grande maioria dos jogadores da seleção não se afirmaram como ídolos e/ou comprovaram sua qualidade para que o brasileiro comum se identificasse com o mesmo e o elevasse ao status de ídolo. Quem acompanha futebol a fundo sabe quem são Dani Alves, Filipe Luis, Marcelo e Ederson por exemplo mas e os “torcedores de Copa do Mundo”? Aqueles de 4 em 4 anos tinham um sentimento muito forte de patriotismo e tinham um mínimo de conhecimento de quem estava lá vestindo a camisa amarela, se sentiam representados. Mas hoje, quando estes se sentam com familiares e amigos para assistir a um jogo da seleção, se deparam com nomes como Eder Militão, David Neres e Richarlison por exemplo.

Compreenda: não estou debatendo a qualidade/capacidade dos convocados. Estou debatendo a falta de identificação com uma seleção que tem muitos nomes desconhecidos do brasileiro mas conhecidos pelo resto do mundo. E a minha hipótese é que o pouco tempo em que se apresentaram para o público brasileiro não é o suficiente para “seduzir” o brasileiro a torcer e botar fé na seleção.

Média de edições de Campeonato Brasileiro disputados e minutos em campo no campeonato brasileiro.

Em uma edição de Campeonato Brasileiro cada equipe disputa 38 jogos no total no formato atual que é o mesmo já há mais de 10 anos. Portanto, quando analisado o tempo efetivo em campo pelo campeonato brasileiro na média é inferior a duas edições completas na teoria. Obviamente na prática devemos considerar lesões, substituições e até mesmo convocações para a seleção em dado momento que possa ter causado que tal jogador perdesse partidas do campeonato. Ainda assim, considerando tudo isso, olhamos para a média de edições disputadas e vemos que a participação em Brasileirões é baixa na média.

E, ao meu ver, estes dados apenas reforçam uma hipótese: a seleção brasileira de hoje não é a seleção do Brasil.

Análise 2

“Ok Daniel, você apresentou um monte de números e dados. Mas e o subjetivo que é o impacto causado por exemplo?” Sim, concordo. Muitas coisas no futebol não tem como traduzirmos em números por mais que os mesmos nos dêem diversos indicativos. E nessa parte eu nem pretendo me aprofundar tanto mas pretendo sim deixar a provocação e o convite a refletir e investigar qual foi o impacto subjetivo do desempenho desses atletas. Quem foi artilheiro de campeonato? Quem deu muitas assistências e foi muito participativo nas atuações do seu time? Quem ganhou prêmio individual e quem participou de equipe campeã brasileira? Quantos desses tiverem 3 temporadas consistentemente boas? Enfim, como dizemos no popular: QUEM DEIXOU SUA MARCA?

E aí, o que achou? Curta, comente, compartilhe e continue seguindo para mais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s