“Vocês nos ouvem, mas vocês não estão escutando”

O post de hoje é uma tradução e adaptação de uma carta escrita pelo jogador de basquete Tobias Harris do Philadelfia 76ers publicada pelo site The Players Tribune. Mas mais do que isso, é um posicionamento oficial do Coach Danny Br frente ao racismo.

“I UNDERSTAND THAT I’LL NEVER UNDERSTAND BUT I STAND”

(“Eu entendo que eu nunca entenderei mas eu apoio”)

Para o post original, clique aqui.

“Eu sou completamente a favor do diálogo e estou sempre disposto a conversar.
Mas se vamos conversar sobre o que aconteceu com George Floyd, é preciso haver um reconhecimento básico da realidade: um policial branco matou um homem negro desarmado e ele foi capaz de fazê-lo em plena luz do dia, com três outros policiais assistindo , por causa da cor de sua pele.

E não me responda com “Ah, mas essa pessoa fez isso”. Não tente dar desculpas, ou diga que não se trata de raça. Ultimamente, em muitas das minhas conversas com brancos, recebo essa afirmação repetidas vezes: “Vamos parar de transformar isso em discussão sobre raça”.

É fácil dizer quando seu irmão ou seu pai não é aquela pessoa no chão com o joelho de alguém no pescoço. Seu irmão, filho, pai não é aquela pessoa que foge, leva um tiro, em plena luz do dia.

Eu realmente só quero dizer a essas pessoas: Cale a boca – porque isso é sobre raça.

Sempre foi sobre raça.

E se cavarmos muito fundo, isso também é sobre HUMANIDADE.

Se você não pode reconhecer isso, não posso realmente ter um diálogo com você.

Estivemos nas ruas protestando por anos contra a brutalidade policial. Mas é como, vocês nos ouvem, mas você não está escutando. Essa é a coisa mais perturbadora para mim. E eu sei que é para outros também, em todo o mundo.

Parece que nada está realmente funcionando para que nossas vozes sejam ouvidas. Normalizamos isso até o ponto em que é comum ver vídeos de pessoas nas mídias sociais sendo agredidas por policiais.

Para pessoas que querem fazer isso não ser sobre raça, é tipo, p***a, vocês realmente não entendem o que está acontecendo aqui?

Sejamos francos. Admita que algo está errado neste país, admita que se trata de raça e vamos construir um novo caminho a seguir.

No mês passado, homens armados assumiram os degraus do edifício do Capitólio de Michigan. Para protestar contra a QUARENTENA.

E do que o presidente os chamou?

“Pessoas boas.”

Mas nós saímos e protestamos que outra vida negra foi tomada sem sentido, e nós somos “bandidos”.

Qual é?!

É por isso que os negros americanos estão com raiva.

Para os policiais que cometem essa violência, não houve prestação de contas. Os policiais devem manter um padrão de conduta, mas sempre obtêm o benefício da dúvida, inerentemente. Eles agem como se não devêssemos questionar nada.

Esses quatro policiais deveriam ter sido presos imediatamente. Mas quando você tenta dar desculpas, dizendo que precisa “ver mais evidências” e esse tipo de coisa … quem você acha que está enganando? Temos um vídeo !! O mundo inteiro viu isso! Seja direto com as pessoas, cara.

Para dizer a verdade, o assassinato de Trayvon Martin foi um ponto de virada para mim, pessoalmente.

Quando ele foi morto, tudo porque ele parecia “suspeito” por usar um capuz preto à noite em seu próprio bairro, percebi que esse poderia ter sido meu irmão. Uma vez que você realmente se sente assim, é uma sensação realmente assustadora. Eu tive que sair da minha própria bolha da NBA e entender que existe um mundo diferente lá fora. Nem todo mundo pode entrar em um bom carro todos os dias, dirigir para o trabalho, voltar para casa, se exercitar e ficar bem. As pessoas passam por coisas diferentes. Dia. Após. Dia. Eu tive que lidar com isso.

E felizmente consegui, porque foi uma das coisas mais impactantes que já aconteceu na minha vida.

Quando soube que haveria uma marcha na Filadélfia no fim de semana passado, só consegui pensar em Trayvon, de 17 anos.

Eu estava jogando em Orlando cerca de um ano depois que ele foi morto. Houve uma marcha no centro da cidade enquanto eu estava lá, em 2013. Naquela época, muita fumaça havia sido feita nas mídias sociais e outras coisas com pessoas vestindo capuz e tudo mais. Mas perdi a oportunidade de participar dessa marcha e sempre me arrependi de não fazer parte disso.

Não era que eu não quisesse ir. Eu estava com raiva também. Eu tive conversas sobre isso com meus colegas de equipe e amigos. Mas, pra ser sincero, protestar não era minha prioridade naquele momento. Era tipo, o que eu poderia acrescentar? Isso me fez perceber que eu precisava me educar muito mais. Você precisa ter conhecimento para poder falar sobre essas coisas e ter um diálogo produtivo – especialmente sendo uma pessoa de influência e um modelo para as pessoas, você precisa estar bem para conversar. E você só chegará a esse ponto se estiver bem com você mesmo.

Eu aprendi mais sobre o mundo nos anos seguintes. Consigo sair da bolha das celebridades e do perfil em que estou, e ver o que os negros estão passando pelo país.

É por isso que estou dizendo minha peça agora. E eu já sei que algumas pessoas não vão gostar. Ainda existe um estigma em torno de falar abertamente sobre raça. Cem por cento. Mas, neste momento, eu não me importo.

Estou pressionando as pessoas do meu círculo !! Também temos que responsabilizar os amigos. Estou me pressionando, minha família, amigos e pessoas ao meu redor – pessoas que me seguem, pessoas que me admiram – para que fiquem desconfortáveis. Voce deve. Não existe ficar em cima do muro.

E o silêncio é inaceitável.

O jeito que eu vejo isso? Se as pessoas da minha comunidade são oprimidas, eu também sou. Grito para Muhammad Ali, um dos maiores exemplos da minha vida, por mostrar o caminho. Ele nunca teve medo de se posicionar contra a INJUSTIÇA.

Eu também tive que me sentir desconfortável em saber quem eu sou – sabendo que, sim, cheguei à NBA e isso mudou algumas coisas para mim em termos de como sou tratado. Eu não tenho o mesmo que a próxima pessoa. Eu lidei com o fato de que sim, sou preto, mas aquele cara que está sendo atropelado por um policial em seu carro, ele não tem o luxo daquele policial reconhecê-lo.

Esse é o problema. A diferença entre um policial que reconhece você ou não nunca deveria ser vida ou morte.

Eu cresci em Long Island. Eu frequentei uma escola primária predominantemente branca, uma escola secundária predominantemente branca e uma escola de ensino médio predominantemente branca. Eu sempre fui o atleta, all american.

Onde quer que eu fosse, as pessoas sabiam quem eu era. Eles não necessariamente olhavam para mim tipo, olhe para aquele garoto preto. Mesmo que eles pensassem, eu nunca recebi esse tipo de tratamento. Eles olhavam para mim como, “Oh, esse é Tobias Harris. Ele joga isso, isso e aquilo”.

Quando eu fui para a faculdade, exatamente a mesma coisa.

Então, para ser sincero, eu sempre soube do racismo neste país, mas na minha vida pessoal as coisas estavam um pouco suavizadas. Eu posso admitir que – por causa do privilégio em que eu tinha crescido – eu não experimentei realmente o pior do que os negros passam.

E se eu tivesse que fazer isso de novo, eu mudaria de várias maneiras – principalmente em termos de me educar sobre a história negra, e tudo o que aconteceu nos primeiros movimentos que nos deram os direitos que temos agora.

Mas este sou eu agora, aos 27 anos, dizendo isso. Levei muito tempo – talvez muito tempo – para perceber que as coisas são diferentes. Algumas pessoas podem querer pensar: a fama não pode me mudar. A NBA não vai me mudar. Mas se eles forem honestos consigo mesmos, reconhecerão que estar nesse nível coloca uma bolha protetora em torno de você. Você precisa realmente sair disso, buscar ativamente conhecimento e se educar, para estar totalmente à altura de tudo o que está acontecendo no mundo.

Nós, celebridades e atletas, temos que fazer nossa parte também para nos responsabilizar. Ponto.

As escolas não contam a história toda. É por isso que me importo tanto em educar e orientar os jovens. Quando eu estava chegando, em nossa escola, basicamente aprendemos apenas sobre três heróis afro-americanos. Nós aprendemos sobre Martin Luther King, Rosa Parks e Malcolm X. E quando nós aprendemos sobre eles? Durante o mês da história negra. Por 28 dias. Eu sei que vocês podem fazer a relação.

Eu sabia sobre Cristóvão Colombo, sobre George Washington, todos os presidentes, mas apenas um punhado de líderes negros. Foi isso que me ensinaram.

Não antes do meu primeiro ano na liga, quando eu tinha todo esse tempo livre para me educar, que comecei a aprender sobre os negros pioneiros do mundo, sobre o que realmente acontece na América. E eu precisava desse período de aprendizado para chegar onde estou agora, onde sou educado o suficiente para falar.

Eu oriento muitas crianças. Eu vou para essas escolas. Vejo a diferença entre uma escola em North Philly aqui fora, e uma escola na Main Line of Lower Merion. Eu vejo a diferença. Então, eu pude crescer no meu entendimento de como as coisas são diferentes.

Porque quando eu era mais novo, eu realmente não entendia isso.

Quando eu era criança, meu pai costumava levar eu e meus irmãos para a cidade e jogávamos basquete com esse time da AAU chamado Riverside Hawks. Ele nos levou ao Harlem e jogávamos lá fora todo fim de semana.

Na moral: estávamos vivendo vidas totalmente diferentes das de algumas das crianças com quem jogávamos.

Era como jogar água na sua cara, ver como eles viviam em comparação com a minha vida nos subúrbios. Toda criança tem que crescer e aprender, e para mim foi como: Uau, sou negro, mas tenho o privilégio de ter o que tenho. Isso realmente, realmente me humilhou. Mas isso não significava que eu sabia tudo o que há para saber sobre raça.

Aquela foi a minha vida, meu processo de aprendizado. Foi isso que me trouxe para onde estou agora. Eu posso realmente dizer que entendo e sei. Mas isso leva tempo.

É preciso conhecer sua identidade e quem você é.

No sábado passado, não perderia a oportunidade de transformar meus conhecimentos em ação.

Quando eu estava lá na marcha, era algo que eu estava tão feliz de fazer parte porque se tratava de união. As pessoas estavam segurando cartazes falando sobre brutalidade policial, placas indicando como as vidas negras são importantes. Como ficar quieto é tão ruim quanto estar do lado errado. Sinais em todos os lugares, com mensagens correspondentes à dor de todos na comunidade negra. E algumas pessoas lá fora eram brancas, pregando: “Black Lives Matter”. Foi incrível estar em torno dessa interconexão e unidade. Foi realmente especial. Caminhamos por cerca de uma hora e meia, e foi incrível estar naquele momento.

Eu tenho 2,05m de altura, então sabia que me destacaria, mas realmente não estava preocupado. Acho que sabia que as coisas poderiam se complicar (vi duas pessoas pichando e tal), mas acho que, em suma, um protesto, uma marcha – é o que você faz dela. São suas intenções sobre isso.

E é isso que você tira disso.

É sobre pregar esta mensagem de como você se sente sobre o que está acontecendo no mundo. Você vê muitas coisas acontecendo com os tumultos, mas muitas pessoas estão por aí protestando pacificamente porque queremos mudanças.

No sábado, em Philly, tratava-se de uma união de pessoas que enviavam uma mensagem. E essa mensagem era realmente sobre respeito. Tratava-se de pessoas respeitando os outros e entendendo sua mágoa e sua dor.

E temos que continuar – se não na rua, então em nossos próprios círculos. Temos que conversar sobre o que realmente está acontecendo. Temos que usar nossas plataformas ao máximo.

Temos que fazer isso pois você talvez não queira nos escutar … mas você com certeza vai ouvir.”





Tobias Harris
PHILADELPHIA 76ERS

E aí, o que achou? Curta, comente, compartilhe e continue seguindo para mais!

Um comentário em ““Vocês nos ouvem, mas vocês não estão escutando”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s