Play-Practice-Play: a metodologia estadunidense para o futebol infantil

Muito se discute no meio futebolístico a respeito de como se ensinar-aprender futebol em contextos variados. É possível encontrar boas referências na literatura científica brasileira porém pouco se vê na minha opinião/impressão um movimento abrangente de disseminação de formas estruturadas apropriadas de ensino-aprendizagem no ambiente de escola de futebol.

Algumas escolas criam suas próprias metodologias e currículos de formação mas ainda me parecem ser poucas. E mesmo entre as que criam, poucas tem referencial teórico que sustente uma boa prática. Ou então, em casos a metodologia está mais focada no jogo e no professor do que no jogador. E é aí que entra a play-practice-play, a metodologia estadunidense de ensino-aprendizagem do futebol em escolas esportivas.

Traduzido literalmente para o português significa “jogar-praticar-jogar”.

IMPORTANTE: Esta postagem não tem o objetivo de fazer juízo de valores, ser verdade absoluta ou venerar o futebol dos EUA. Viso aqui somente fazer a exposição de uma metodologia que me parece ser interessante e, com bom uso da mesma, eficiente no ensino-aprendizagem do esporte.

Deste ponto em diante eu traduzirei uma postagem feita pela USSoccer. Para o artigo original, clique aqui.

O que você deve saber sobre o Play-practice-play

À medida que as iniciativas de base de futebol dos EUA continuam a ficar on-line por meio do lançamento dos cursos de treinamento presenciais e on-line, um conceito crítico que todos os treinadores de base aprenderão é o Play-Practice-Play. Pesquisado e desenvolvido por líderes técnicos em todo o cenário doméstico de base, o Play-Practice-Play é a maneira ideal de estruturar uma sessão de treinos para jogadores jovens, pois utiliza as melhores práticas para o aprendizado e a aplicação de cenários de jogos.

O que é o Play-practice-play?

É uma filosofia de base desenvolvida e projetada em torno de uma abordagem de treinamento centrada no jogador. Adotar uma abordagem centrada no jogador coloca as necessidades e motivações deste em primeiro lugar do planejamento de um treinador para treinar seus jogadores. O conceito de Play-Practice-Play é permitir que jogadores jovens experimentem o jogo e situações semelhantes ao jogo, tanto quanto possível. Essa abordagem difere das práticas tradicionais que podem ter crianças em filas, dando voltas e participando de exercícios que não se assemelham ao jogo de futebol.

Fase 1 – Jogar

Quando os jogadores chegam para treinar, a primeira responsabilidade do treinador é criar um ambiente seguro, envolvente e divertido. Na primeira fase do jogo, os jogadores se envolvem em jogos pequenos, com o foco principal em se divertir. É importante que esses jogos no estilo de partida sejam liderados pelos jogadores e facilitados pelos treinadores. Durante esta primeira etapa do jogo, os jogadores têm a oportunidade de experimentar o jogo enquanto o treinador os observa e os guia para o desenvolvimento de suas próprias soluções, em vez de serem orientados sobre o que fazer.

Fase 2 – Treinar

Na segunda fase, as crianças estão envolvidas em diferentes formas de atividades de aprendizado direcionadas para orientar ainda mais suas oportunidades de desenvolvimento. O objetivo desta fase é criar um ambiente cheio de oportunidades para os jogadores experimentarem e aprenderem sobre o objetivo da sessão de treinamento através da repetição.

As atividades práticas devem ser um desafio apropriado (encontrar um equilíbrio entre sucesso e fracasso), assemelhar-se ao jogo, envolver os jogadores na tomada de decisões e permitir a solução criativa de problemas. O papel do treinador durante esta fase é orientar os jogadores enquanto usa ações de ensino. Embora seja durante essa fase que o aprendizado direcionado ocorra, sempre deve haver ênfase em manter a atmosfera divertida e agradável para os jogadores.

Fase 3 – Jogar de novo!

A fase final é o jogo formal. Essa fase oferece aos jogadores a oportunidade e a liberdade de jogar, sem interrupção, em um ambiente que reflete o jogo real. O foco da fase final do Jogo é incentivar os jogadores a se expressarem e demonstrarem o que aprenderam durante a fase de Treino. Um treinador deve observar e orientar usando o mínimo de diálogo, se possível. Observando silenciosamente a aplicação da fase Prática na fase final do Jogo, o treinador pode verificar a compreensão e a capacidade de cada jogador em executar o objetivo da sessão de treinamento.

Essa é a explicação básica e resumida que encontra-se no link. Assim como toda metodologia (ou quase tudo na vida) tem suas vantagens e desvantagens, virtudes e defeitos. Deixe nos comentários a sua opinião!

E aí, o que achou? Curta, comente, compartilhe e continue seguindo para mais!

Um comentário em “Play-Practice-Play: a metodologia estadunidense para o futebol infantil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s